Thomas cantando

Ocorreu um erro neste gadget

Notícias

Loading...

segunda-feira, 4 de março de 2013

Plano de Aula desenvolver um plano de aula não tarefa das mais fáceis, porém seguindo esse roteiro essa tarefa fica mais facil

Tia Thiaga

 Plano de aula e atividade para aplicar

 PLANO DE AULA
Turma: 1 º Ano
 Disciplina: Português e Matemática
Conteúdo programático: vogais e Números
 Objetivos específicos: Trabalhar a oralidade e os sons das vogais
 Fixar as vogais e o som de cada letra
 Estimular a escrita e coordenação motora
 Relacionar número e quantidade
 Desenvolvimento: Rodinha e rotina diária: Chamada, quantos somos?, calendário, história e músicas; é importantíssimo a leitura diária, para que as crianças desenvolvam o gosto pela leitura.
 Cantar a música das vogais e dos indiozinhos

 Escrever o nome de cada criança no quadro e marcar as vogais

 Atividade 1: Copia das vogais (letra bastão maiúscula e minúscula) É importante desde as primeiras atividades apresentar as varias formas de escrita das letras, para que as crianças se familiarizem e pratiquem a escrita, assim o momento da troca das letras será um processo fácil.
Frisando o som da letra e apresentando uma figura com a inicial.
 Deixar as crianças colorirem as figuras

 Para fixar o conteúdo:
 Atividade 2: Escrever a vogal que começa cada desenho Antes da atividade, trabalhar a Oralidade, o som de cada vogal.

 MERENDA E RECREIO

 Fazer mais uma atividade: Apresentar os Números de 0 a 10
 Escrever (no quadro) a quantidade referente a cada número, junto com as crianças, nesse momento a oralidade é parte fundamental.

Para reforçar:  entregar palitos de fósforos as crianças.
Atividade 3: Colar palito de acordo com o número

 Material: Lápis grafite, borracha, lápis de cor ou giz de cera, cola,

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Dicas Domesticas

Como tirar manchas de roupas

Roupas tingidas por outra peça : Coloque água para ferver e depois de quente acrescente acúcar e deixe dissolver um pouco, passe sabonete na parte da roupa que foi manchado pela cor de outra peça e coloque na agua com açúcar, deixe a roupa fervendo até a mancha sair. A água com açúcar ficará da cor do tingimento da roupa.
Atenção, deve ser fervida uma peça por vez e sempre trocando a água, para não tingir a roupa. 

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Roteiro para Relatório infantil

Relatório Educação Infantil

Segue dois  ROTEIROS  para escrita de RELATÓRIO da Educação infantil. 
Para fazer meus relatórios  realizei  uma junção dos dois,  retirando o que não se ajustam a realidade de minha turma e aproveitando tudo que me remetia as características dos meus alunos.

Modelo 1
INTRODUÇÃO: serve para apresentar as características da criança e ela no grupo – e o grupo em relação a ela! Falem de seu trabalho enquanto professor – que se preocupa com o bem estar de todos, com a aprendizagem significativa, que recebe as crianças e tudo que elas trazem em suas vivências e experiências.
• O grupo – quem é, como são, qual é a rotina deles, atividades preferidas, característica(s) do grupo;
• A criança no grupo – como ela se situa no coletivo – como se destaca e/ou como se coloca nele; como reage frente as atividades coletivas;
• As características da criança – como ela é;
• A criança e as atividades – suas preferências, suas reações, suas contribuições,
• A dinâmica da criança em sala – ela e a rotina – ela reclama, adere, participa do que? Seu temperamento e escolhas;
• Suas relações com os outros - ênfase na parte afetiva – seus relacionamentos fazendo uma ligação com suas características pessoais;
• Desempenho no dia-a-dia – nas atividades – como ela se envolve nas atividades, seu progresso, seu envolvimento com as atividades e pessoas;
• Curiosidades dos comportamentos das crianças que ilustram seu desenvolvimento – suas falas, gracinhas, surpresas, insights, contribuições, perguntas, observações, etc.
• Planos para futuro próximo – o que você pensa que a criança precisa para continuar se desenvolvendo de maneira progressiva e positiva, o que em particular você planejaria para ela. Revele o seu olhar particular para ela e suas projeções.
• As OBSERVAÇÕES FINAIS: servem para indicar como o professor irá continuar o trabalho com a criança em questão, RESSALTANDO A PREOCUPAÇÃO INDIVIDUAL, MAS INTEGRANDO-A NO GRUPO!
Lembre-seAbordando todos estes itens, o professor estará falando tanto das áreas do desenvolvimento infantil, como das áreas do currículo, trazendo a tona os quatro focos principais da Educação Infantil – criança, professor, currículo/planejamento e as relações.
Importante
O professor deve escrever como se estivesse escrevendo para alguém que não conhece as crianças e, portanto vão revelar as dificuldades com moderação. Neste documento é o lugar do professor falar na sua própria voz revelando suas observações, planejamentos, reflexões e planos futuros. A voz da criança será para exemplificar aquilo que vocês estão falando sobre elas!


Modelo2
 ROTEIRO DE AVALIAÇÃO NA ED. INFANTIL

Este roteiro serve para qualquer faixa etária, pois o desenvolvimento acontece de forma parecida no ser humano. Basta observar em que nível o seus alunos se encontram.
Lembrem-se, não há receita, cada criança se desenvolve no seu rítmo, portanto, crianças de uma mesma sala podem ter a mesma idade, mas estarem em níveis diferentes, nos diferentes aspectos.

1. ASPECTOS FÍSICOS: expressão corporal, harmonia, equilíbrio, ritmo, coordenação, organização espacial ampla, uso e aplicação da força.
Como chega à escola?Como se adapta ao ambiente?Como brinca?Como está se movendo?
O caminhar é ágil e harmonioso?
Corridas e saltos são equilibrados ou ocorrem quedas?Como recorta?
Como usa a cola?
Como pinta? Consegue respeitar limites da folha e do desenho?

2. ASPECTOS SOCIAIS: interatividade, participação compartilhada, regras, disciplina, organização, trabalho em equipe, responsabilidade.

Interage com os amigos?
Empresta brinquedos?
Respeita regras e combinados?
Expões novidades e acontecimentos do seu cotidiano?
Participa manifestando opiniões pessoais?
Prefere jogos cooperativos ou competitivos?

3. ASPECTOS EMOCIONAIS: experienciar muitos e novos sentimentos, desde a alegria das vitórias e conquistas até o sabor da derrota e da perda, sendo valorizada cada manifestação e expressão dos sentimentos.

Como chega a escola?
Como se relaciona com colegas, educadoras e funcionários?
Sente-se seguro no ambiente escolar?
Como reage quando contrariado?
Acalma-se facilmente ou precisa de um tempo?
Identidade:Reconhece os colegas?Se identifica pelo nome,sua imagem no espelho?Gosta dos colegas e os identifica?Tem capacidade de resolver conflitos e tomar iniciativas?É crítica e criativa?Curiosa e inventiva?É participativa e cooperativa?

4. ASPECTOS COGNITIVOS: linguagem oral e escrita, raciocínio lógico matemático, capacidade de comunicação e argumentação, iniciativa na resolução de problemas e conflitos.

Em qual estágio do desenvolvimento se encontra? ( sensório- motor, operacional etc...)
Tem interesse pela descoberta das letras e escrita de palavras?
Em que nível de escrita se encontra?
Comunica-se com clareza e objetividade?
Apresenta sequência lógica dos fatos?
Consegue observar semelhanças e diferenças entre os objetos?
Classifica, ordena e quantifica com base em atributos de cor, forma. tamanho e espessura?
Em que etapa seu desenho se encontra? (desenho sem intenção ou figurativo)

5. ÁREA EM QUE SE DESTACA: Nesta etapa, utilizo como referência, a teoria de inteligências múltiplas do Gardner e nos novos estudos que complementam esta teoria.
Observo em quais áreas a criança atua com mais desenvoltura e coloco como item onde ela se destaca.

(a) Existencial: do ser como pessoa integral. Uma visão que, de certa forma, abrange, de maneira contingencial, as demais inteligências, bem como todo contingencial existencial da história de vida do aluno.
(b) Naturalista: do indivíduo que revela maior inclinação pela natureza, pelas Ciências Naturais. Aquele aluno que gosta de colecionar objetos, pesquisar a vida animal e dissecar animais.
(c) Pictórica: da pessoa voltada para a parte artística. Esta vocação que a pessoa possui para a música, para as artes Cênicas, ou para as artes Plásticas.
(d) Inter e Intrapessoal: aquela que Gaardner continua chamando da mesma forma – que são as "inteligências pessoais".
(e) Espacial: também com a mesma denominação anterior.
(f) Corporal: que diz respeito, mais especificamente, às habilidades sensoriais e motoras.
(g) Verbal: que corresponde à lingüística.
E, enfim:
(h) A Matemática: que se refere à inteligência lógica e numérica.

Garatuja

Encontrei estes textos sobre Garatuja e como me acrescentou conhecimento quero dividir com vocês.

A importância da garatuja

Rabiscos de criança são expressões da curiosidade, são tentativas e descobertas. Você não vai querer reprimir essa força criativa, certo?

É experimentando traços aparentemente sem nexo – as chamadas garatujas – que as crianças pequenas desenham na tentativa de representar o que interpretam do mundo à sua volta. Nos primeiros anos de escolaridade, é particularmente importante explorar sem amarras esse tipo de produção. Muitas vezes, porém, os rabiscos não recebem a devida atenção dos professores. Há certa ansiedade em direcionar o traço dos pequenos.
“Esse cerco, ao contrário do que se imagina, fecha portas para o fazer artístico”, afirma Mirian Celeste Martins, professora do curso de pós-graduação em Educação, Arte e Cultura da Universidade Presbiteriana Mackenzie. “Muitas crianças chegam ao Ensino Fundamental com a expressividade bloqueada justamente por conta do direcionamento que tiveram na infância para atividades como reproduzir ou colorir desenhos prontos”, diz Mirian. Nesse caso, a atenção da criança se volta para a dúvida se o trabalho é reconhecível ou não, em vez de estar no desenho em si.

Cada rabisco, uma descoberta
Desde a década de 1970, a pesquisadora americana Rhoda Kellog estuda os primeiros traços das crianças. Em suas pesquisas, ela observou e analisou quase 300 mil desenhos de crianças de todo o mundo e identificou padrões de estrutura, como rabiscos básicos e áreas de aplicação dos traços no papel (veja quadro abaixo).

Reprodução

Kellog mapeou 20 tipos de rabiscos de crianças de até dois anos de idade, produzidos de maneira bastante primitiva em variadas combinações. Um tempo adiante, essas linhas convergem para seis diagramas básicos: círculo ou oval, quadrado ou retângulo, triângulo, cruz ou X e formas irregulares. A eles, depois são agregados elementos como sóis, linhas radiais, perímetros e figuras humanas.

Embora apresentadas de maneira evolutiva, essas classificações não devem ser consideradas fases de desenvolvimento a ser perseguidas. “Elas são representações da ação da criança, de acordo com suas descobertas e com a interpretação que faz do mundo”, afirma a professora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), Rosa Iavelberg.

Com muita sutileza, portanto, as garatujas revelam o olhar da criança. Observadores, os pequenos experimentam enquanto desenham e acabam estabelecendo relações que ficam na memória. Descobrem os resultados dos movimentos que fazem com o braço, buscam as possibilidades das formas – para depois dominá-las – e encontram os limites do papel. Assim, criam de forma autônoma. “É com a exploração desses rabiscos que a criança vai construir sua produção autoral”, acrescenta Rosa.

Além de ficar atento ao desenho das crianças, é papel do professor criar um ambiente em que o desenho possa ser cultivado (Dois exemplos de atividades: Desenho na sombra e Criação com desafio). Quando possível, oferecer diversidade de materiais e suportes colabora para ampliar o repertório e estimula a viagem criativa da meninada. “A força que faz inventar os modos de desenhar, de jogar com a percepção, de brincar com linhas, formas e cores tem de ser potencializada pelo educador. Abrir esse espaço é mais do que simplesmente deixar fazer”, acrescenta Miriam. É preciso instigar a competência simbólica, provocar o aluno a ir além e não apenas ensinar a ele regras práticas da figuração. Com isso, foge-se do controle rígido da representação, que faz os pequenos reproduzir de forma sistemática os modelos estereotipados
.http://revistaescola.abril.com.br

terça-feira, 3 de agosto de 2010

FESTA JULINA NA ESCOLA

Meus amores foram me prestigiar
minha aluna AnaPreparando pra nossa apresentaçãoMinha turma, pena que chovia muito e nem todos puderam estar presentes.

Minhas colegas de trabalho (da direita pra esquerda- Rosania, Prissila, Rosilene, Natalya, Maria Aparecida (Pina), eu e o Thomas 

Cartazes da Festa Julina
Este casal fui eu quem pintou, cada turma pinto um cartaz.Reparem no detalhe do chapéuTentando ficar mais feia. hahhhhhhhhEu e minha colega de facu e coordenadora pedagógicaMinhas alunasMinha aluna Cindymeu lindo filhote, foi participar da festa também

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Comida boa!!!!!!!!!!

Recomendo. Fiz esta receita para o almoço de domingo, é muito fácil e fica deliciosa.
Aproveitem. Gostei demais dessa receita por isso estou postando no meu blog, espero que gostem também.


Tudo Gostoso - O seu dia a dia muito mais gostoso!

domingo, 11 de julho de 2010

Thomas a lenda


Ontem saímos Thomas e eu para comprar uma sandália,  como sempre,  ele cheio de opinião não se agradou de nenhuma que vimos; mas não aceitava sair da loja sem a sandália. Gostou da papete do homem aranha, apenas pela teia que decorava a vitrina, mais uma vez saímos chorando. Na ultima tentativa, quando a vendedora me apresentou este brinquedo ( brinde) pensei: encontramos! No começo ele nem queria por a sandália no pé, mas ele percebeu que para ganhar o brinquedo precisava aceitar o calçado, então deixou provar e falou: gostei!